DSCF4264

É tempo de conhecer Nuno Paz, um homem que, embora apaixonado por bicicletas, garante que o seu primeiro amor foi uma “miúda da escola”.

Apesar disso, nunca escondeu que o desejo por uma certa BMX amarela lhe deu muitas insónias e que foi preciso a generosa intervenção do Sr. Paz, seu avô, para que voltasse às noites tranquilas.

Foi com ela que se estreou nas provas de BMX, em 1992, na pista do Forninho em Palmela.

“Era espetacular a minha GT Interceptor, pintada de amarelo torrado! Passei umas boas noites sem dormir a sonhar com ela! Na altura só me lembro de pensar nos saltos que ia dar com aquilo… passados poucos meses partia pela primeira vez um braço!”- conta-nos a rir.

Mas só mais tarde, quando partiu também a perna, se dissiparam as dúvidas: Era assim que queria ganhar a vida!

Estávamos em 2006 e tinha 25 anos quando nasceu a Legend bikes, a sua maravilhosa loja em Setúbal.

“Ficar dois meses em casa deu-me tempo para organizar as ideias”.

 E nós ficamos a pensar que, de facto, quando a vida nos quer dizer alguma coisa, diz. Nem que para isso tenha que nos imobilizar por uns tempos.

Se o Nuno não a tivesse escutado, provavelmente hoje não estaríamos a escrever sobre o técnico de ventiloterapia de uma empresa de cuidados de saúde- o trabalho que aceitou numa fase em que não acreditava ser possível cumprir o seu sonho de viver das bicicletas.

“No fundo sempre sonhei poder “viver das bicicletas” mas passados alguns anos de competições cheguei à conclusão que isso nunca iria acontecer. Nem eu era assim tão bom nem estava no pais certo para isso.”

A esta distância, conhecendo a sua história, a sua energia e o seu percurso, parece-nos evidente que iria conseguir. E a verdade é que, apesar de todas as dificuldades, 11 anos depois do “sim” às bicicletas, Nuno Paz continua feliz no seu (quase) casamento que, garante, seria impossível sem amor.

“Ao olhar para trás parece que passou muito menos tempo… mas ao mesmo tempo o que fazia antes parece que foi noutra vida! Foi sem dúvida das melhores decisões que tomei. Ter um trabalho que nos faz feliz é mesmo muito importante.”

Atribui grande parte do seu sucesso aos amigos, que na sua vida ocupam um lugar central; aos sítios por onde passou e às pessoas com quem se cruzou ao longo deste tempo.

 “Nada disto teria sido possível sem as pessoas à minha volta, especialmente sem os amigos!”

 Apesar de acreditar que compensa quando coloca tudo nos pratos da balança, admite que um negócio assim nunca deixa de dar “uma trabalheira desgraçada”. O que não deve bastar para o desanimar pois logo de seguida completa a frase:

“Mas continuo a acordar cheio de vontade de vir trabalhar! Até depois daquelas noites mais difíceis de copos e jantares com amigos!”

 Projetos

Neste momento Nuno Paz está a desenvolver um projeto para dar a conhecer a Serra da Arrábida em duas rodas e por trilhos pouco habituais.

“Um projeto virado para o turismo e para quem anda de bike.”, como nos explicou.

O que o move

Para além da pergunta no sentido literal cuja resposta sabemos que é “a bicicleta”, quisemos perceber o que move um homem que vive todos os dias a alta velocidade. A resposta foi também rápida:

 “Tudo o que me rodeia. As pessoas à minha volta…os amigos…a minha cidade. Acho que me apaixono com alguma facilidade por tudo e isso faz-me querer viver mais e conhecer mais.

Os amigos fazem mesmo toda a diferença!  Não sei se tenho muitos amigos, mas sei que tenho os melhores com que alguma vez podia sonhar! Ajudaram-me a chegar onde estou neste momento. Sem eles nada disto teria sido possível(…)”

Loucuras por Amor

 Sem muito orgulho, confessa:

“Por amor fui capaz de… fazer asneiras e coisas muito pouco inteligentes…”

O essencial é

 Agora num tom mais leve, a rir:

“Essencial para mim… Mousse de Oreo!”

 E já mais sério:

 “E viver rodeado pela natureza.”

O Amor é

 “O amor é tudo!”

 Obrigada Nuno Paz. Apesar do ritmo acelerado, o nome faz-te justiça.

 

 

 

 

Share
Tags: No tags

Comments are closed.